De radicais, já bastam os livres

por bonita detox

Não sou vegan, nem contra remédios e amo chocolate. Ou seja: sou normal e não quero viver em um planeta idealizado. Acredito que a felicidade com que devoramos jujubas não se compara ao tédio de comer um pedaço de inhame cru. Mesmo um sendo mil vezes mais saudável que o outro, o que está valendo é a disposição interna. Então não adianta “se forçar” a comer coisas saudáveis, pelamor! O legal é fazer disso uma aventura e do seu corpo um campo de provas e sabores. É divertido ver como o organismo responde quando você excede em alguma coisa (sim, eu excedo muito), passamos a entender a linguagem do corpo, que às vezes fala através de brotoejas, piriri, dor de cabeça ou mesmo pele luminosa que nenhum primer seria capaz de dar. Bem, dito isso, é legal colocar em uma balança o que te faz bem e o que você tem certeza que te faz mal e decidir se é uma masoquista ou alguém em busca de uma vida melhor. Auto-sabotagem é normal e todo mundo faz. A não ser que você se instale em uma dessas clínicas xiitas, você sempre vai pisar na bola e comer justamente aquilo que menos pode. Laticínios, carboidratos simples, açúcar e glúten não são legais, mas por um propósito: combater os radicais livres e desintoxicar o corpo. Sem stress, que de radicais ja bastam eles. Voilá.

Atendendo a pedidos, a receita da sopa de abóbora de ontem vai em seguida, em detalhes.

Anúncios