De doce já basta a vida

por bonita detox

Não sei bem se é meu Dosha, que é Pitta (ver medicina Ayurvédica, obrigada), mas eu adoro os amargos. Comer jiló e tomar própolis é tipo jardim das delícias para mim. E olha que ganho muito com esse meu paladar excêntrico. O jiló, por exemplo, é uma excelente fonte de cálcio, fósforo e ferro, de baixo teor calórico, possui significativas quantidades de vitaminas A, B e C. Própolis é coisa de Deus, todo mundo sabe. E tem também o famoso boldo. Ê delícia! Chazinho com a planta fresca macerada é tdb. Com as folhas secas, digamos, me dá um certo enjôo, mas saber o bem que faz para o fígado, ajuda e muito na sequência de goles. E o fígado é o responsável pelo nosso humor, sabia? Pronto, já temos a quem culpar. Para quem acorda com olheiras profundas e sofre com terríveis enxaquecas, saiba que seu problema reside nesta glândula e que essa erva medicinal faz milagres. Quem nunca tomou um chá de boldo depois de uma noite regada à champagne, que me atire a primeira pedra de Swarovski. A coisa realmente funciona quando acordamos com o famoso gosto de cabo-de-guarda-chuva na boca. E se tomado antes das refeições (#aloka) ajuda na digestão e nas funções do aparelho digestivo. É ótimo para quem tem intestino reprimido (ui!), cálculos biliares e gastrite. Moçada, cai de boca nos amargos, que de doce já basta a vida. =)

Anúncios